Projeto: Com quantas memórias se faz uma canoa?


Movidos pelo atual cenário de descaracterização da cultura do povo caiçara, pesquisadores do Instituto Costa Brasilis idealizaram o projeto “Com quantas memórias se faz uma canoa”, que tem por objetivo preservar a memória da cultura caiçara através do cadastramento e registro histórico das canoas “de um só pau” no município de Ubatuba.
O processo de desenvolvimento econômico e turístico e a especulação imobiliária sofrida pela região costeira do Brasil nas últimas décadas, vem causando a degradação ambiental e a perda de identidade das comunidades caiçaras, que acabam por se desviarem de suas atividades de pesca e passam a exercer atividades desvinculadas de suas raizes. Assim, surge a necessidade do resgate cultural e histórico destas comunidades.

O projeto em questão representa uma iniciativa para a preservação da memória da cultura caiçara de Ubatuba e o foco voltado para as canoas foi motivado por este tipo de embarcação ser um elemento central para o povo caiçara. A canoa é um meio de transporte tradicional e um dos principais instrumentos da pesca artesanal. Além disso, cada canoa tem sua história (sentimental, aventureira, anedótica, etc.) que representa os costumes e as tradições caiçaras.

O projeto está estruturado em 4 fases: na primeira jovens caiçaras serão selecionados e treinados para participarem do projeto; na segunda fase os trabalhos de campo para cadastramento das canoas e registro histórico serão realizados; em uma terceira fase os produtos culturais serão confeccionados; e na quarta, concomitante as duas anteriores, o projeto e seus produtos culturais serão divulgados.

Segundo a coordenadora do projeto, a Dra. Márcia Regina Denadai, ao final do projeto serão produzidos um banco de dados virtual interativo de livre acesso sobre as canoas e seus registros históricos e um livro ilustrado que compilará os dados obtidos. “Com isto, pretende-se colocar o assunto das canoas e, consequentemente, do momento vivido pela cultura caiçara, em voga no município de Ubatuba de forma a se promover uma discussão profunda e uma mobilização a respeito de seus destinos”, completa a Dra. Márcia.

Esse projeto foi um dos 232 contemplados, dentre 4674 inscritos, pelo “Programa Petrobrás Cultural”. Conforme as regras do programa, o projeto passou também por aprovação do Ministério da Cultura, através da Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

I. Imagens

 
 
 

II. Equipe

Pesquisadores

  • Dra. Márcia Regina Denadai (Instituto Costa Brasilis) - Coordenadora
  • Dr. Alexander Turra (Instituto Oceanográfico-USP) - Co-responsável
  • Bel. Maria Angélica Oliveira Gonçalves (Instituto Costa Brasilis) – pesquisadora
  • Ney Martins (Folclorista – FUNDARTE - Ubatuba) – pesquisador

III. Patrocínio

 

IV. Página do Projeto

 

Instituto Costa Brasilis - Desenvolvimento Sócio-Ambiental
Rua Emiliano Cardoso de Mello, 46, Vila Butantã, CEP 05360-000
São Paulo - SP - Brasil